3 poderosos sacramentais para ter na sua casa

j

by Addan Dyego

}

13 nov, 2020

O uso dos sacramentais é uma das práticas religiosas menos compreendidas de modo adequado pelos católicos.

Embora façam parte da vida na Igreja desde o início do cristianismo, os sacramentais são vistos por muita gente, de forma errônea, como uma espécie de “superstição”. Acontece que, de fato, uma grande quantidade de católicos, ao longo dos séculos, tem usado os sacramentais de modo supersticioso por falta de compreensão do seu verdadeiro sentido: em vez de instrumentos da graça de Deus, eles são tratados como objetos “mágicos”, coisa que não são.

Os sacramentais servem para enriquecer a nossa vida espiritual, não para prejudicá-la. Eles foram instituídos pela Igreja para incentivar em nós um relacionamento cada vez mais profundo com Cristo e para nos ajudar a focar na santificação de cada parte da nossa vida, inclusive nas mais singelas e cotidianas. Os sacramentais são extensões dos sete sacramentos e nos ajudam a enxergar e acolher a graça de Deus no nosso dia-a-dia.

Um lugar onde os sacramentais são especialmente poderosos é o lar. Se os usarmos com espírito de fé, os sacramentais podem nos distanciar de perigos espirituais e nos inspirar a viver uma vida santa, dedicada a Deus na prática de cada dia.

Os três sacramentais que mencionamos a seguir, se forem usados ​​adequadamente, podem dar um novo impulso espiritual ao nosso lar:

A água benta

A água benta tem o duplo significado de nos lembrar do nosso batismo e simbolizar a limpeza espiritual. É usada inclusive em exorcismos: o diabo não suporta a água benta porque é inteiramente impuro, imundo para toda a eternidade. Ela evoca a água que fluiu do lado de Cristo, símbolo do batismo, e traz à mente o dia da derrota do diabo: a crucificação de Cristo para nos redimir do pecado e nos oferecer a salvação.

Um antigo costume era fixar recipientes com água benta em algumas paredes da casa: podiam ser simples copos de louça, em cuja água benta cada morador da casa tocava antes de fazer o Sinal da Cruz, acolhendo assim a bênção de Deus. Era frequente que esses recipientes simples, porém dignos, estivessem fixados perto das portas, de modo que as pessoas recorressem a eles ao saírem e retornarem à casa, ou dentro dos quartos dos membros da família, como convite a se manterem sempre puros e próximos de Deus. A água benta também ficava sempre ao alcance quando se desejava de modo especial afastar as influências do maligno.

O sal abençoado

Também é um antigo costume manter em casa um pequeno recipiente de sal abençoado. É preciso pedi-lo ao pároco, embora hoje em dia muitos padres não estejam mais familiarizados com esta prática. De fato, o sal abençoado é hoje um sacramental muitas vezes negligenciado. Apesar disso, ele representa uma poderosa arma contra o mal, conforme o texto usado na sua bênção de acordo com o Ritual Romano: o sal abençoado é descrito como símbolo de saúde para a mente e o corpo daqueles que o utilizam porque tem o sentido de nos livrar da impureza e nos proteger dos ataques malignos. O próprio Cristo nos exorta, no Evangelho, a ser sal da terra e luz do mundo.

O crucifixo

Outro sacramental muito poderoso, e que é encontrado com mais frequência em nossas casas, é o crucifixo. Ele não apenas nos recorda o grande Amor de Deus para conosco, mas também é uma das armas principais contra os inimigos espirituais. O crucifixo é a derrota de Satanás e o sinal de tudo o que ele despreza. O recomendável é ter um crucifixo em cada cômodo de casa, para meditar o mais possível no imenso sacrifício que Jesus fez por nosso amor e para a nossa redenção, além de nos encorajar a ser fiéis a Deus nas horas de tentação.

Lembre-se também de pedir a um sacerdote que abençoe os seus crucifixos.

Fonte: Aleteia

Destaque

Posts relacionados

Falta de tempo, ou de amor…?

“O ‘lema’ de São Bento é justamente “Ora et labora” ora e trabalha, mas notem que a oração antepõe ao trabalho, como era expresso por São Cipriano “nada se anteponha Cristo, pois Ele nada antepôs a nós”.
Que triste saber que antepomos tantas coisas a Cristo e Ele que nada antepôs para nossa salvação… ”

ler mais

“Descascar nabos por amor a Cristo”

“O mero fato de pensar que no mundo se pode fazer das menores ações da vida, atos de amor a Deus; que o fechar ou abrir um olho em seu nome, nos pode levar a obter o Céu; que descascar nabos por verdadeiro amor a Deus, pode dar tanta glória a Ele e a nós tantos méritos, como a conquista das Índias; …”

ler mais

Precisa de ajuda?

Entre em contato

SIGA-NOS

SOBRE O AUTOR

Addan Dyego

Casado com a Taynara Oliveira, Pai de dois filhos. "Roma Locuta est, Causa Finita Est"

COMENTÁRIOS

2 Comentários

  1. sidnei

    Muito obrigado pelo texto!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

Falta de tempo, ou de amor…?

Falta de tempo, ou de amor…?

 “A ociosidade é inimiga da alma” é o que foi regido por São Bento em sua regra, no ponto que é dito sobre ‘trabalho manual quotidiano’, basicamente, ele deixa claro para seus monges que se deve evitar o ócio, por meio da lectio divina, ou leitura espiritual, ou...

“Descascar nabos por amor a Cristo”

“Descascar nabos por amor a Cristo”

“Certo dia encontrava-se São Rafael trabalhando na cozinha quando, repentinamente, uma luz penetrou-lhe a alma impelindo-o a exclamar: "O que faço eu, Virgem Santa? Descascar nabos! Descascar nabos… para quê? "E o coração pulando no peito contestou-lhe sem refletir:...

É magnânimo ser fiel nas pequenas coisas!

É magnânimo ser fiel nas pequenas coisas!

“Muito bem servo bom e fiel; já que fostes fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.” Mateus 25, 21. A fidelidade é 'um hábito bom' e necessário tanto para vida de oração quanto para o trabalho, num todo, ela faz com que cumpramos com...