Tenha um olhar especial

Tenha um olhar especial

É comum em nosso cotidiano desprezarmos as coisas simples que muitas vezes parecem “sem importância”, perdemos a oportunidade de ter um olhar especial que nos leva a Deus.

Desprezamos os sinais e oportunidades que Deus nos dá, desde o mais simples. Deixamos de ter a capacidade de uma “olhar especial” através de uma mãe que só briga com teu filho, de um amigo que tem só tem tentado tirar sua paciência, de um pai que é muito arrogante com sua esposa, de alguém que você não vai muito com a cara ou como de um filho que chora e bagunça o tempo inteiro. Ficamos só na superficialidade dos momentos. Mas a vida não é assim, Deus nos ama e nos olha além de todos os nossos pecados e quer constantemente que sejamos melhores. E nós? Não devemos ser assim com nossos irmãos?

Existem ao nosso arredor pedras que precisam ser lapidadas que ainda não percebemos. Se fizermos um esforço e com a graça de Deus veremos o diamante que estava escondido por trás daquele mundaréu de pedras.

Nós mulheres temos um dom que nos foi dado, temos a capacidade de sermos voltadas para o interior, pois fomos feitas do corpo de Adão e não do barro, somos inclinadas para a humanidade, para as pessoas, para ver além. Não podemos deixar que o pecado apague aquilo que nos foi dado.

É realmente difícil amar o que não é amável, mas devemos lutar constantemente começando por pequenas coisas pois o mundo nos comunica a bondade de Deus o tempo todo e se desprezamos esse diálogo de Deus conosco através das coisas e das pessoas veremos só a maldade ao redor. Ao olhar para o céu não veja apenas o céu com a sua composição material e física, mas transcenda e com os olhos da alma, veja o infinito que nos foi preparado que ultrapassa a barreira do som e da luz. Ao escolher um feijão pense que um dia eu e você também seremos escolhidos e haverá separação da mesma forma que o joio é separado do trigo e principalmente ao olhar para uma pessoa, veja que apesar de tudo o que ela faz ou deixou de fazer, ela é a imagem e semelhança de Deus e que ainda há esperança para ela.

Nossa Senhora sentiu dor ao dar a LUZ?

Nossa Senhora sentiu dor ao dar a LUZ?

“ O parto fora estabelecido com tristeza e dor devido a desobediência original”(Cf Gn 3,16)

“(..) pois tu não encontrarás nenhuma das dores e condições das mulheres “ ( A vida da Virgem, São Máximo)

Ao ler esse trecho que foi retirado de um dos livros de São Máximo sobre a vida da Virgem Maria, concluímos que é impossível que Nossa Senhora tenha sofrido dores ao dar a luz. Porque as dores no parto como escrito no livro do Gênesis, foi uma consequência do pecado, ou seja, se Eva não houvesse pecado e nem a sua descendência teria as tristezas e dores do parto e porque a Virgem Maria foi concebida sem pecado original e se não há pecado nela não há também as consequências dele.

“Mas quando o arcanjo disse a Santa Virgem: “O Senhor é contigo!” Todas as dúvidas e tristezas desapareceram. O Senhor é contigo e já não há mais sobre ti o poder do homem nem as dores do parto, pois na verdade somente ela foi virgem(..)”

A Santíssima Mãe de Deus ao invés da dor sentiu uma imensa alegria ao dar à luz ao Salvador do mundo e se em algum momento chorou, foi de fato lágrimas de alegria como dizia Santo Afonso.

“Vê diante de si o menino Jesus tão belo e tão amável, que enlevava os corações. Mas treme e chora, segundo a revelação feita a Santa Brígida, estende as mãozinhas, para dar a entender que Maria o tome nos braços” (meditações para o Advento, Santo Afonso)

Imagina a cena! O Salvador ali feito menino naquela manjedoura e a Virgem Maria a olhá-lo e amá-lo, quão lindo e ditoso não é essa cena. E poderá a Mãe do Senhor sentir neste momento alguma dor?

A dor que a Virgem Maria sofreu foi nós que a causamos pelos nossos pecados ao ferir o seu Filho, e mesmo assim ela nos ama, mesmo que seus filhos se revoltem contra seu Criador ela ainda rogará por nós. 

É verdade, ó Maria, que vós sois a Mãe, que vós sois a Mãe de Jesus, mas vós o tendes dado a mim, e Ele, sobre a cruz, deu a vós como nossa Mãe, e assim somos mais ricos do que vós. – Santa Teresinha do Menino Jesus

Não deixe para depois, pois talvez ele não existirá

Não deixe para depois, pois talvez ele não existirá

Ao olharmos ao nosso arredor vemos facilmente quais são os padrões de vida, sonhos e desejos almejados que estão impregnados na mente da maioria dessas mulheres. Não será surpresa se muitas delas disserem que o ápice da vida delas é conquistar a sua casa, o seu próprio carro e ter dinheiro para poder comprar o que quiser.

Se passarmos horas e mais horas nas redes sociais consumindo os seus diversos tipos de informações e sendo atraídos a consumir cada vez mais, não é de se assustar que com mais frequência queremos ter as coisas que esse mundo oferece, de forma que ficamos mais presos a elas, e quando digo coisas do mundo, não falo apenas em dinheiro, mas também em status, prazeres, poder etc. E aqui não condeno as redes sociais, e nem ter ou não ter certas coisas pois se soubermos usá-las como um meio para alcançarmos a Deus não tem problema algum.

Sem percebermos estamos vivendo cada vez mais fora da nossa realidade, estamos sendo fisgadas pelas coisas do mundo, pelos nossos prazeres e vontades, por ficar só mais um pouquinho no Instagram ou assistindo essa série enquanto as pessoas ao nosso redor pedem por nossa ajuda.

Quantas vezes não rezamos as nossas orações rapidamente para podermos fazer aquilo que nos agrada mais ou até mesmo deixamos de fazê-las?

Quando foi que paramos de desejar a eternidade e nos deixamos ser seduzidos por coisas sem importância?

Talvez seja difícil de enxergarmos, mas existem atos que se feitos com amor nada e nem ninguém deste mundo poderá apagar. No nosso dia existe uma série de oportunidades para conquistarmos cada vez mais o céu e infelizmente temos perdido!

Talvez a sua pia esteja cheia de louça, a casa esteja uma bagunça ou até mesmo você precise ajudar a sua família porque seus pais chegam cansados do trabalho; Pensando bem, até mesmo precise conseguir um emprego para ajudá-los na renda familiar, ou talvez você já seja uma mulher do lar que precisa atender o seu marido e seus filhos da melhor forma possível, e o mais importante talvez você não tenha rezado hoje, não tenha parado para ver que  em meio às situações difíceis  o quanto Deus a ama, e insolentes como somos não retribuímos esse amor, porque tudo é prioridade em nossas vidas  menos AquEle pra quem fomos criadas para amar e servir. Se Ele não é o centro das nossas vidas de nada adianta as outras coisas, pois tudo virará pó! Não deixe as oportunidades que Cristo te dá para amá-Lo escaparem.

 “Tenho medo do Deus que passa e não volta mais” Santo Agostinho

Sim, devemos temer por todas as graças que Deus quis nos dar e recusamos, pois, tais graças não voltarão mais.

Quantas vezes perdemos a oportunidade de rezarmos mais, de servirmos mais, estudarmos mais e de amarmos mais?

E por fim perdendo essas sequências de oportunidades já não seremos mais os santos que Deus quisesse que fossemos, portanto, comprometa-se a partir de hoje a mudar de vida, assumir a sua vocação com excelência e não deixar para depois o que Deus te pede agora. Vençamos a preguiça, mortifiquemos a carne e andemos segundo a vontade do Espirito.

Deus abençoe!

Modéstia: um caminho a ser trilhado

Modéstia: um caminho a ser trilhado

Sabemos que existe muita polêmica no assunto da modéstia e que algumas pessoas acham que essa virtude se refere apenas as peças de roupas que usamos, porém vai muito mais além do que usar calça ou saia. Trago alguns trechos de textos escritos pela Camila Abadie e pela Rayhanne Zago que vão te ajudar a colocar essa virtude em prática. E é claro, posso trazer inúmeros motivos aqui para você começar a praticar a virtude da modéstia, porém se o seu coração não estiver aberto para fazer aquilo que Deus quer, nada irá te mudar.

Quando vamos escolher uma peça de roupa, um calçado ou quando adotamos determinado estilo, fazemos essa escolha basicamente por dois motivos: Porque gostamos ou porque os outros vão gostar. Olhamos, gostamos e pronto. Sem maiores reflexões. O problema é que  pelo fato de não pensarmos e refletirmos a respeito do que estamos passando para nós e para os outros podemos não perceber quais o sentimentos, sensações e impactos que estamos transmitindo.

É preciso, portanto, um duplo esforço na resolução do problema da mensagem que estamos aderindo para nós e consequentemente transmitindo ao nosso próximo. Aqui uma boa maneira de começar esta investigação é fazendo-nos algumas perguntas:

– O que é que estou vendo? Uma rica descrição não só da peça, mas de todo o seu contexto ilumina muito das repercussões interiores que aquilo tudo nos causa;

– O que eu sinto diante disso? Veja se aquilo que lhe ocorre é de um tipo superior, enobrecedor dos sentimentos, ou de um tipo baixo, que desperta os sentimentos mais animalescos, como luxúria, ira, etc.

Para quem é católico há ainda mais um elemento a ser considerado, os princípios que regem a nossa fé. É primordial que levemos sempre em conta o amor a Deus e ao próximo em tudo, inclusive naquilo que uso.

A coisa é muito mais séria para nós mulheres do que simplesmente vestir uma saia: Trata-se de não se transformar em um tropeço para o outro; E de se colocar em seu lugar, fazer um esforço de imaginar o tipo de sentimento que aquilo que visto traz ao meu próximo. 

A Caridade é não somente mostrar-se bela, mas mostrar-se com pudor. E isso independe de época, de lugar, de clima, de temperatura. Enfim, enquanto cristãs, não podemos ignorar o aspecto espiritual da materialidade do vestuário.  A virtude, embora se manifeste concretamente no tempo e no espaço, é imaterial. Não tornar este o centro de toda esta reflexão é levar uma vida parcialmente cristã, na qual a fé ilumina somente alguns pontos dela, mas não a toma por completo.

Não há duvidas de que há uma forma mais perfeita da mulher se vestir e essa forma é usando saias e vestidos, por serem roupas essencialmente femininas. Há uma diferença entre ser perfeito e ser salvo, não é?

Então se o teu caminho está começando, há sim uma forma coerente de usar calças de modelagem femininas com dignidade.  Mas, se o coração cresce em amor e generosidade, as virtudes progridem e o próprio Espírito Santo vai conduzindo a alma para um caminho mais perfeito. Muitas mulheres prendem-se a calça por apego, por mitos e pela falsa impressão de que saias e vestidos envelhecem, mas na maioria das vezes são as saias e vestidos que dão cor e jovialidade as mulheres.

Agora se ao usar calças você já tem consciência de que provoca desejo masculino, é pecado grave, o mesmo pode acontecer com saias e vestido. Por isso é importante conhecer o tipo de corpo e também ter boas maneiras. 

E por fim existem mulheres que se intitulam “modestas” que se acham no dever de apontar o dedo para todas as outras que não são “iguais” a elas. Aconteça o que acontecer se tratando deste tipo de assunto, não se meta na vida dos outros. Uma coisa é a pessoa vir perguntar a sua opinião ou pedir conselhos, outra é você colocar o capacete da PM – Policia da Modéstia – e sair anotando as infrações das suas irmãs. Não faça isso, você não sabe o que se passa no coração delas, não tem a menor ideia da historia de vida de cada uma, nem do estagio em que se encontram na caminhada de fé. Isso é cilada do diabo para você se achar melhor do que elas e acabar pecando por orgulho e soberba.

Deixo logo em seguida um vídeo sobre a modéstia para vocês assistirem: https://www.instagram.com/tv/CCy6TULJm4C/?igshid=9rz2fuhowpgk

Também temos uma pregação sobre a modéstia no nosso canal do Youtube:

5 motivos para você usar o véu

5 motivos para você usar o véu

Você já deve ter se perguntado o motivo de algumas mulheres cobrirem a cabeça com o véu na Santa Missa, ou talvez não faça ideia do motivo que as mulheres católicas usam véu. Bom, seja qual for a sua dúvida, queremos apresentar 5 motivos para se utilizar o véu.

1.  O Comportamento na Santa Missa

A Santa Missa é o ápice da nossa fé, é nela que acontece a renovação do Sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo, que sendo verdadeiro Deus e verdadeiro homem, pagou pelos nossos pecados na cruz.

“O Martírio não é nada em comparação com a Santa Missa. Pelo martírio, o homem oferece a Deus a sua vida; na Santa Missa, porém, Deus dá o seu Corpo e o seu Sangue em sacrifício para os homens. Se o homem reconhecesse devidamente esse mistério, morreria de amor. A Eucaristia é o milagre supremo do Salvador; é o Dom soberano do Seu amor.” (São Tomás de Aquino).

Sendo assim, se vamos participar deste Santo sacrifício é necessário que sejamos piedosas como as santas mulheres na paixão de Cristo.

O véu facilita para termos uma melhor interiorização, ou seja, ele nos ajuda a ficarmos mais recolhidas e uma vez que estamos recolhidas teremos mais facilidade de ter um espírito de oração com Deus. E quem aqui não quer ter mais intimidade com Deus não é mesmo?

2.   A tradição

O véu sempre foi usado ao longo dos séculos na Igreja Católica. É isso mesmo que você leu! por mais de 2000 anos as mulheres usavam o véu na igreja para honrar a presença do Senhor no Santíssimo Sacramento, e era tão evidente que ninguém questionava o uso do véu. No entanto, depois do concílio do Vaticano II não ter citado a obrigatoriedade do uso do véu ele caiu em desuso, porém não foi proibido pela Santa Igreja.

3. Sacramental.

“A santa Mãe Igreja instituiu os sacramentais, que são sinais sagrados pelos quais, à imitação dos sacramentos, são significados efeitos principalmente espirituais, obtidos pela impetração da Igreja. Pelos sacramentais, os homens se dispõem a receber o efeito principal dos sacramentos e são santificadas as diversas circunstâncias da vida.” (CIC, 1667).

Os sacramentais nos ajudam a caminhar para os sacramentos, sendo assim o véu nos conduz a adorar e exaltar a Santa Eucaristia. Para saber mais sobre os sacramentais, temos um texto aqui no blog explicando mais detalhadamente sobre eles.

4. A glória da mulher

De forma natural a mulher é fonte de honra, glória e beleza e isso é natural porque Deus a fez assim! Por isso que durante um rito a mulher cobre a cabeça para que somente a beleza de Deus seja vista e louvada pelos homens. Não se usa o véu porque a mulher é santa, mas porque Ele é Santo; Não se deve usar o véu para encher-se de glória, mas sim para dar glória a Ele, pois quando se dá glória a Deus, esconde-se de qualquer glória.

O véu nos ajuda no resgate da nossa fé e não só isso, mas também no resgate da feminilidade e na vivência piedosa do Santo Sacrifício da Santa Missa. Deve-se também traduzir respeito uma vez que Cristo se torna nosso hóspede.

5. É obrigatório o uso do véu?

A nossa pergunta não deveria ser se é obrigatório ou não, mas sim se é mais perfeito ou não?

Porque quando estamos preocupados em agradar a Deus e nos unirmos a Ele de todo o coração, já não é suficiente fazermos apenas o que é obrigatório, mas querer dar sempre mais, faça tudo o que estiver a seu dispor para amar e honrar a Deus.

“Se queres ser perfeito, vai, vende teus bens, dá-os aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me!” Mateus 19,21

Não use o véu porque é moda ou porque sua amiga usa, mas unicamente para agradar a Deus.  Talvez você ache que chamaria muita atenção porque muitos estariam olhando para você na missa ao invés de olhar para o Jesus Cristo, mas essa preocupação é caridosa ou vaidosa? Se você está preocupada com o que os outros estão pensando ao seu respeito saiba que isso é vaidade, pois, está querendo preservar a sua imagem diante dos outros. O que importa não é o que os outros pensam, mas o que Deus pensa de você.

Mesmo que seja somente você use em sua comunidade, este ato encorajará outras mulheres a utilizar.  A primeira vez que você for usar o véu será muito difícil pois poucas pessoas ainda usam na igreja, mas ao longo do tempo vamos nos acostumando e a única maneira de não termos mais vergonha de usar é simplesmente usando. É bom também não nos importarmos mais com essa preocupação excessiva de agradar aos outros, mas sim a Deus.

Recomenda-se também antes de cobrir a cabeça com véu rezar esta oração.

Divino Espírito Santo, hóspede da minha alma, convencida de que a minha verdadeira vida está escondida com Cristo em Deus Pai, visto este véu na minha cabeça na esperança não de aparecer, mas de desaparecer, não para atrair a atenção sobre a minha pessoa, mas, para esconder-me na imitação de Maria Santíssima.

Que todos olhem para Vós Deus Pai, Filho e Espírito Santo,

Amém.

Ei Mulher, você sabia que sua vocação é grandiosa diante de Deus?

Ei Mulher, você sabia que sua vocação é grandiosa diante de Deus?

Quantas vezes nós mulheres temos vivido uma vida sem sentido, perdida no tempo e na missão pessoal. Afinal de contas, qual é realmente a nossa vocação? O que a Santa igreja realmente nos indica?

A carta apostólica ‘Mulieris Dignitatem’, escrita por São João Paulo II relata a importância da mulher e a sua dignidade.

Na carta expressa o quanto mais a mulher se permite ser guiada pelo Espírito do Evangelho muito mais chances terá a humanidade em não decair.

Pare e reflita sobre o que São João Paulo II propõe, de fato é maravilhoso diante do contexto “valorização da pessoa feminina”, entretanto, mesmo diante de tal seriedade no assunto e valorização dada pelo Santo Padre, devemos abraçar de todo coração essa missão que nos compromete por inteira.

Ok, mas que missão é essa?

É ofertar a nossa vida em sacrifício de amor ao outro, é lembrarmos de que Deus nos fez únicas tanto fisiologicamente quanto psicologicamente e que essas tais características florescem de acordo com a nossa abertura ao amor e a vida, sermos mães é essa a nossa vocação, povoando o céu de forma natural ou espiritual.

Nunca foi fácil cumprirmos essa missão que somos destinadas, pois eu e você mulher sabemos muito bem que nossas vidas não são pautadas sob um contexto de “linha reta”, pelo contrário sofremos ondulações constantes, um dia estamos felizes e alegres outro dia estamos tristes e deprimidas.

Convivemos com uma batalha diária internamente em nós e externamente de nós para sermos aquilo que Deus quer, a fim de corresponder o real sentido de nossas vidas, o fim último de nossa história.

Existe em nós o dom a receptividade e uma autodoação que nos foi dada desde o nosso nascimento, porém, devemos desenvolvê-las para estarmos prontas a nos encontrarmos com o outro.

” A maternidade tem, no mundo das pessoas, o cunho de uma perfeição espiritual particular: a geração no sentido espiritual e a formação de almas.” [1]

Tem missão mais linda e grandiosa do que essa? Gerar almas para Deus. O Criador quis te dar essa vocação, Ele á escolheu, te quis fazer mulher! Quis que você fosse responsável para povoar o céu e gerar verdadeiros adoradores para Ele.

“Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e verdade, e são esses adoradores que o Pai deseja. ” (1Jo 4, 23)

Não deixe que essa missão se perca no nosso egoísmo, em nossas vaidades ou nas coisas passageiras desde mundo. Temos pouco tempo para realizar aquilo que Deus quer de nós, Avante! Não podemos parar até que se cumpra a nossa missão.

Vai doer, vai ser sofrido, mas “Amor e Sacrifício é assim intimamente ligado quanto o Sol e a Luz. Não se pode amar sem sofrer e sofrer sem amar.”  Santa Gianna

.

Referências:

______________________________________________

1. São João Paulo II. Amor e Responsabilidade. Editora Cultor de Livros, p.253

João Paulo II, Carta Apostólica “Mulieris Dignitatem” (MD), de 15 ago. 1988