“Descascar nabos por amor a Cristo”

j

by Jaqueline Oliveira

}

24 fev, 2021

“Certo dia encontrava-se São Rafael trabalhando na cozinha quando, repentinamente, uma luz penetrou-lhe a alma impelindo-o a exclamar: “O que faço eu, Virgem Santa? Descascar nabos! Descascar nabos… para quê? “
E o coração pulando no peito contestou-lhe sem refletir: “Eu descasco nabos por amor a Cristo!”.
Veio-lhe então uma paz muito grande no mais fundo da alma, acompanhado pela ideia: “O mero fato de pensar que no mundo se pode fazer das menores ações da vida, atos de amor a Deus; que o fechar ou abrir um olho em seu nome, nos pode levar a obter o Céu; que descascar nabos por verdadeiro amor a Deus, pode dar tanta glória a Ele e a nós tantos méritos, como a conquista das Índias; […] É algo que enche a alma de alegria!”.
E conhecidos: “Na realidade para ganhar o Céu nos é pedido muito pouco”, pois, como afirma Santa Teresinha do Menino Jesus, Deus “olha mais para a intenção do que para o valor da ação”.”

SÃO RAFAEL ARNÁZ BARÓN, Escritos op. cit., n.787

Nestes dias deparei-me com esse trecho, retirei de uma página dedicada ao Santo trapista Rafael Arnáz, no qual particularmente nutro grande carinho devido à simplicidade de seus ensinamentos, o grande amor e abandono a vontade de Deus. A principio ia somente compartilha-lo na minha rede social, mas algo me chamou atenção, penso que esse “estalo“, esse momento de descoberta sobre descascar nabos por amor a Cristo poderia alcançar mais pessoas e ajudar-nos a ter um olhar atento no modo no qual realizamos nossas tarefas, afinal de contas trabalhamos, estudamos, nos socializamos, fazemos muitas coisas o que não é ruim em si mesmo, porém fazemos tudo de forma desatenta, estamos desnorteados e por vezes quando fazemos algo aparentemente comum, ou insignificante, aos nossos olhos, não sabemos aproveitar seu verdadeiro valor enquanto realizamos tantas coisas ao longo do dia, porém estas mesmas são desperdiçadas, que lástima…

São Rafael não estava no coro a rezar, ou recitando a liturgia das horas, ou na Santa Missa, ele estava a trabalhar na cozinha, e mesmo no seu trabalho ele mantém um diálogo com a Virgem Maria exclamando o “pra quê” ele estava a descascar nabos, qual mérito teria sua ação, de que isso valeria — afinal ele é monge e ali está para rezar também pelas almas. Mas ao dialogar com essa Mãe Bendita que não cessa de nos socorrer e que está disposta a nos aproximar de Seu Filho, ele obtém a resposta e brilha diante de si o “óbvio”: por AMOR a Cristo, pronto! Não é descascar aqueles nabos, o ofício em si mesmo, mas o modo: que é simplesmente fazer o pouco que fazemos cada um segundo sua vocação, puramente no amor, por amor e para o amor¹ e que alegria a paz verdadeira nos vêm à alma quando colocamos nossas intenções nos ‘trilhos’. Porque também somos chamados por amor a Cristo a limpar a casa, lavar louça, recolher brinquedos espalhados, a cozinhar, a organizar as planilhas, a realizar nosso trabalho a viver nossa vida, por amor e para o amor; o monge tem por vocação dar-se inteiramente a Deus, oferecer-se pelas almas, rezar por nós e essa era a vocação de São Rafael, mas, além disso, o seu maior chamado era Amar a Cristo, este também é o nosso maior chamado.

Não significa, porém que isso será feito com suspiros e arroubos, não, isso será feito com certa dificuldade e teremos de nos empenhar, pois tendemos, principalmente quando temos o habito de fazer a mesma coisa, a cair no relaxamento, a fazer por fazer, podemos deixar cair no esquecimento que estamos diante da presença de Deus, não só quando estamos na missa, ou rezamos o terço, mas continuamente, parece obvio, mas infelizmente o obvio tem de ser dito, daí que desanimamos que deixamos passar inúmeras oportunidades de amar a Deus, de progredirmos espiritualmente.

São Rafael descobriu que era tudo por amor a Cristo, entendeu até que o fechar ou abrir um dos seus olhos em seu nome, nos pode levar a obter o Céu. Ele, como citei nos parágrafos anteriores descobriu o segredo escondido, ele não fugiu, tampouco deu desculpas “ah, mas sou monge deveria estar no coro a rezar”, não, ele realizou seu trabalho na cozinha, sem brilho, nem gloria, para glorificar a Deus, porque sua vocação e a nossa também não é num “checklist”, mas é um conformar nossa vontade a de Deus,  é aprendermos a sermos generosos, entender que se as pequenas obras são estimuladas com a virtude do santo amor, e estão em bom odor diante da majestade de Deus, em consideração a elas, Ele aumenta a santa caridade². Deus fala conosco em nossa circunstância, se Ele quer falar conosco quando estamos a “descascar nabos” que assim seja, parece complicado, mas não é, porque de fato nos é pedido muito pouco para ganhar o céu, quando é por amor que vivemos, o que fazemos adquiri brilho, beleza, nossa vida torna-se fecunda.

Que a Virgem Maria nos ajude a termos um puro amor a Deus e a estarmos atentos a sua Doce Voz, para que possamos então com coração enamorado em tudo aquilo que fizermos e no final de nossa vida exclamar: “É por amor… Foi por amor”!

São Rafael Arnáz, rogai por nós!

1. (Sermon pour le I dimanche de Carême, IV, 230).

2. (Amour de Dieu, I, III, cap. II, I, 457).

Destaque

Posts relacionados

Rezar enquanto trabalha?

ℕa movimentação de nossa rotina de trabalho ou da nossa rotina cotidiana, podemos ser pegos pela seguinte pergunta: é possível rezar durante o trabalho? Dá para rezar estando no ônibus indo trabalhar, por exemplo, ou enquanto se faz trabalhos domésticos? Existem dois...

ler mais

PARA QUE UM DIA POSSAMOS “FLORIR” PARA VIDA

“Tudo que temos, na alma e no corpo, todos os bens que possuímos, internos e externos, naturais e sobrenaturais, todos são benefícios Vosso (de Deus), e outras tantas provas de vossa bondade, liberalidade e munificência, que de vós todos os bens recebemos.”

ler mais

Precisa de ajuda?

Entre em contato

SIGA-NOS

SOBRE O AUTOR

Jaqueline Oliveira

Católica, 23 anos. "nada se anteponha a Cristo, pois ele nada antepôs a nós"

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Beatriz

    É no pouco que se revela o muito!

    Belo texto, JAque!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

Rezar enquanto trabalha?

Rezar enquanto trabalha?

ℕa movimentação de nossa rotina de trabalho ou da nossa rotina cotidiana, podemos ser pegos pela seguinte pergunta: é possível rezar durante o trabalho? Dá para rezar estando no ônibus indo trabalhar, por exemplo, ou enquanto se faz trabalhos domésticos? Existem dois...

PARA QUE UM DIA POSSAMOS “FLORIR” PARA VIDA

PARA QUE UM DIA POSSAMOS “FLORIR” PARA VIDA

Há uns anos atrás, ganhamos um vaso com violetas com suas folhas bem esverdeadas e com cor viva em suas flores, belíssima. E como gosto de plantas e flores, fui pesquisar um pouco como mantê-la viva e havia descoberto que não se deveria molhar as folhas, pois ficam...

Falta de tempo, ou de amor…?

Falta de tempo, ou de amor…?

 “A ociosidade é inimiga da alma” é o que foi regido por São Bento em sua regra, no ponto que é dito sobre ‘trabalho manual quotidiano’, basicamente, ele deixa claro para seus monges que se deve evitar o ócio, por meio da lectio divina, ou leitura espiritual, ou...