“O TEU DEUS NÃO É A TERRA…”

j

by Luiz Davi

}

15 fev, 2021

Hoje vamos meditar sobre um pequeno trecho do livro Confissões, de Santo Agostinho. Ele é de grande proveito espiritual, assim como toda a obra.

“‘O teu Deus não é a terra, nem o céu, nem qualquer outro ser corporal’. É isso que a natureza das coisas afirma, e todos podem ver, pois a matéria é menor na parte que no todo. Tu, alma, digo-te que és mais importante que o corpo, sem dúvida, pois és tu que lhe dás a vida, e nenhum corpo pode fazer o mesmo a outro corpo. Mas o teu Deus é também a vida da tua vida.”

X Livro, Confissões

Quão bom e interessante não são os textos do grande Doutor da Graça!

Em sua vida, quando ainda estava afastado de Deus, Santo Agostinho andava à procura de algo que pudesse saciar sua sede de felicidade. Sua procura, todo o seu percurso e o posterior encontro lhe moldaram toda a vida, inclusive o aporte conceitual.

A busca de Agostinho se deixa transparecer neste trecho… Que sede de Deus, compenetrada de amor! Ele escreve e investiga, com a ajuda de Deus, o que o mesmo Deus lhe inspirou. A distinção entre corpo e alma está muito clara diante de Agostinho, e essa dicotomia, corpo-alma, também condiciona a dicotomia de toda a realidade em sensível e inteligível, corporal e espiritual, mundano e celeste, mutável e eterno.

Depois de sua experiência no meio do mundo, quando estava afastado de Deus, ele percebeu que as coisas materiais não satisfaziam seu desejo de ser feliz. Quantos não andam hoje no caminho da procura da felicidade e do sentido de suas vidas! Há pessoas que buscam a Deus de boa vontade, de coração sincero, sem, porém, conhecer o valor nem a gravidade das ações que realizam em busca do sentido.

O texto que chegou até nós hoje, de Agostinho, o texto que atravessou os séculos e nos é disponível é esse: “o teu Deus não é a terra, nem o céu, nem qualquer outro ser corporal”. É preciso que nós nos descolemos da realidade que nos prende aos bens materiais! É preciso que nós subamos a via do desapego, a fim de nos apegarmos às realidades eternas! Ora, são essas realidades que permanecerão.

A alma dá vida ao corpo e, no entanto, Deus é a vida da nossa vida. Se a nossa vida está em Deus, devemos-Lhe todo o nosso ser. E como dever-Lhe, isto é, consagrar-Lhe o nosso ser? Isso se dá no nosso ato de entrega a Deus!

Em um mundo que apela constantemente ao hedonismo (o prazer como estilo de vida) exagerado, e em que se perde aos poucos o caráter sagrado do homem — e isso inclui o esvaziamento do significado sagrado do corpo —, é necessário que nós demos um testemunho de que outro modo de vida é possível. Pode-se viver santamente hoje.

[…] A matéria é menor na parte que no todo”. Isso significa que, se a matéria é menor na parte, ela será menor no todo, porque a parte está contida no todo. A matéria é o componente da realidade material do mundo; logo, faz parte da realidade material, corporal; se é menor na parte, e se o “todo” é naturalmente maior que a parte, o todo transcende a matéria. Em suma, a busca que Agostinho empreendeu o fez perceber, não sem a graça divina, que o Deus que buscava é muito mais que as realidades materiais.

Mas muitas vezes, nos é difícil perceber que Deus é muito maior que essas realidades. Às vezes, nem damos ouvidos à verdade que “a natureza das coisas afirma”. Por isso, é preciso que nós demos ouvidos ao testemunho de todas as coisas criadas. Todas elas afirmam, como em uníssono: Deus é.

Santo Agostinho, rogai por nós!

Destaque

Posts relacionados

O olhar do Mestre para o Traidor

Meditemos sobre o Evangelho que precede o do Lava-pés. A ira e a avareza do Traidor o levaram a entregar Jesus por 30 moedas de prata: o preço de um escravo. O Mestre, todavia, o amou até o fim.

ler mais

O exorcismo em Cafarnaum

Nosso Senhor Jesus Cristo, no exercício de Sua vida pública, causou admiração e espanto pelas coisas que realizava. Mas será que a admiração é suficiente para Deus?

ler mais

Precisa de ajuda?

Entre em contato

SIGA-NOS

SOBRE O AUTOR

Luiz Davi

Jovem estudante de Filosofia.

COMENTÁRIOS

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

O olhar do Mestre para o Traidor

O olhar do Mestre para o Traidor

Grande aflição nos inspira o Evangelho de hoje. Meditemos sobre o Evangelho da quarta-feira da Semana Santa, com o auxílio do Espírito Santo. Mt 26, 14 – 25 14 Então, um dos Doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os príncipes dos sacerdotes e perguntou-lhes: 15...

O exorcismo em Cafarnaum

O exorcismo em Cafarnaum

Vamos meditar neste mês sobre um trecho do começo do Evangelho de Marcos, proposto pela Liturgia para o último domingo do mês de janeiro. Mc 1, 21-28 21 Entraram em Cafarnaum e no sábado foi à sinagoga e se pôs a ensinar. 22 Admiravam-se da doutrina, pois ele os...

O prólogo do Evangelho de São João

O prólogo do Evangelho de São João

O Evangelho do 7º dia da oitava de Natal neste ano é o prólogo do Evangelho de São João. Vejamo-lo. João 1, 1-18 1 No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 2 No princípio estava ele com Deus. 3 Todas as coisas foram feitas por intermédio...