Texto para os que namoram ou querem namorar.

j

by Addan Dyego

}

28 out, 2021

Hoje tem se tornado comum dizermos ou agirmos tudo conforme o ambiente, mas não é normal que isso aconteça. Ambiente que nos induz a tomarmos posições não reais, ou seja, viver em uma mentira bem contada e convincente. No caso do tema de hoje, o namoro também não ficou de fora dessa lista de mentiras que a ignorância e o ambiente rebaixaram, fugindo do real sentido e finalidade.

Vale a pena lembrar que a palavra namoro é proveniente de enamorar, que na prática não é senão um “cortejar”, ou seja, um esforço para conseguir inspirar amor ao outro. Tais práticas na realidade eram comuns de serem exercidas até o século 19, beirando o século 20; quando no século passado, com a forte influência de várias ideologias no seio da família, fez-se com que se mudasse as intenções dos jovens entre as famílias, abolindo os conselhos dos antigos, de cujos relacionamentos já duravam anos, por conseguinte, a grande maioria desses influenciados pelo “novo mundo” decidiram ter mais “liberdade”, corrompendo o sentido da sua vocação e fazendo crer na grande mentira que o namoro não é um passo fundamental para ter uma família, mas sim, para uma autossatisfação corpórea e material. 

Pois é, até esse ponto quis resumir bem para que pudéssemos entender melhor o que é realmente o namoro, trazendo para dentro de nós um pequeno despertar da matrix que muitas das vezes vivemos e não percebemos. 

Entenda, tudo que foi criado por Deus, tem um porquê! Inclusive o tempo de “namoro”; como acabou de ler, o namoro não é para uma autossatisfação corpórea e material, pois seria um grande rebaixamento de sua finalidade, mas sim para você “cortejar” no amor e se aprofundar nesse amor em Deus. O namoro é a fase que te fará pensar melhor sobre si e seu futuro, pois quando se está namorando, se é despertado para diversas realidades, sendo elas os sentimentos que estão dentro de mim, quem realmente sou, os compromissos que posso assumir e união de corações.

Interessante olhar para o namoro não observando as etapas que ele pode nos proporcionar, mas sim, a sua finalidade. Se deixarmos de olhar para a finalidade, perderemos o foco e facilmente tropeçaremos em alguma das etapas propostas, por diversos motivos, como a própria ansiedade. O mesmo aconteceria se quiséssemos construir uma belíssima casa, mas se começássemos pelo telhado. Se não olharmos para a finalidade, não entenderemos que deve ser construída da base, ou seja, primeiras etapas, até as últimas. 

Quando citei que se é despertado para diversas realidades e tudo por etapas, dependendo do amadurecimento pessoal e dentre essas a primeira são os “sentimentos que estão dentro de mim”, escrevi para que você entenda que algo novo acontecerá contigo, quando iniciar o namoro ou estiver próximo de iniciar. Seus pensamentos, desejos e sonhos começarão a ser conduzidos para o outro, como se não conseguisse mais pensar em si, somente na outra parte que te falta. Essa realidade, podemos bem defini-la como “amor eros” – um amor romântico e cheio de enobrecimentos. Naturalmente, ao passar do tempo tende a diminuir. O mesmo também poderá te instigar para o contato físico, afetivo e sexual; lembra-te muito bem do que você está lendo, isso não significa que você realmente o(a) ama verdadeiramente, pois estão em uma etapa nova e tudo que é o novo, gera um sentimento de curiosidade e hiper interesse, então, vigiem e rezem; busquem olhar para o outro além dos sentidos externos, tentem aprofundar-se no que realmente é válido e duradouro, contudo, firmes na finalidade real do namoro. 

Após um tempo de namoro, é natural que haja ao menos um pouco de amadurecimento e autoconhecimento, fazendo com que muitas máscaras caiam. E quando digo, muitas são muitas mesmo. Nesse momento o outro conhecerá melhor quem você é e você o(a) conhecerá melhor. Os disfarces, teatros e atuações não serão mais aceitos, pois saberá realmente quem está ao seu lado. Como pode acontecer daqueles que diziam ser românticos e simpáticos e que agora revelam os seus reais interesses. Não escrevo isso para os assustarem, mas também para ser franco. O mundo real não é um conto de fadas e muito menos se inicia com um “era uma vez”, mas é uma realidade que a nossa dimensão espiritual deve transcender. Em cada desencontro e queda de máscaras, deve considerar com franqueza os defeitos que você e o outro expôs, no intuito de melhorá-los, pois esse exercício não é senão a primícia em atos de um novo amor que nascerá – amor philia, que poderá perdurar em seu matrimônio.

Amadurecidos e contentes em saber que estão dispostos a melhorar pelo bem comum, surge no coração o desejo de decidirem mais firmemente um para o outro. Veja bem, a realidade do namoro (quando bem vivida e observada com propósito), te impulsiona à verdade, e contemplá-la te liberta, tornando-os verdadeiramente livres. Pode até acontecer de vocês sentirem um esfriamento, pois arrefeceu a paixão e o amor que foi construído se solidificou na decisão conjunta. E eis o momento de fazer com que a finalidade última do namoro aconteça: Terminar. 

Sim, exatamente o que você leu. O namoro, o cortejo – esforço de conquista, deve terminar. A conquista deve chegar, e eis o momento que após entenderem que a disposição dos corações sobrepõe a qualquer limitação humana tendo em vista o cumprimento da vocação; por isso deve-se terminar. 

Quando chegarem nessa etapa do namoro, que muitos por aí dizem que se adquire somente no noivado, na realidade o noivado não deveria ser momento para esse amadurecimento, mas sim para os preparativos finais, para esse cumprimento da finalidade última do namoro, fazendo com que as disposições naturais e espirituais se ofertem gratuitamente em prol de uma união sonhada por Deus. 

Seja bem-vindo à realidade.

Destaque

Posts relacionados

Precisa de ajuda?

Entre em contato

SIGA-NOS

SOBRE O AUTOR

Addan Dyego

Casado com a Taynara Oliveira, Pai de dois filhos. "Roma Locuta est, Causa Finita Est"

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Adelaide Nunes de Souza

    Ótimo texto! Parabéns

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

Cuidado! Tua condenação pode ser pior que a do outro

Cuidado! Tua condenação pode ser pior que a do outro

Em um dos maiores clássicos da história – Inferno de Dante, o autor apresenta no capítulo XI uma narrativa que nos permitirá avançar na Santidade. Para aqueles que não sabem, Dante Alighieri, italiano (século 13), não escreveu uma “trilogia” de contos com verdades...

Perdido anda quem anda atrás do perdido

Perdido anda quem anda atrás do perdido

Quão belas são as palavras que Deus nos transmite por meio de Santa Teresa de Jesus. “Deste modo já anda imperfeito e perdido. É o caso de dizer: perdido anda quem anda atrás do perdido”. Quantas são as vezes que ao estimarmos coisas e pessoas nos perdemos dos...

“Tu estavas mais dentro de mim do que a minha parte mais íntima”

“Tu estavas mais dentro de mim do que a minha parte mais íntima”

Dizia Santo Agostinho: “Tu estavas mais dentro de mim do que a minha parte mais íntima. E eras superior a tudo o que eu tinha de mais elevado” Grande e admirável afirmação, Agostinho admite que mesmo após ter entrado em uma seita pagã (maniqueísmo), Deus estava com...