O olhar do Mestre para o Traidor

j

by Luiz Davi

}

1 abr, 2021

Grande aflição nos inspira o Evangelho de hoje. Meditemos sobre o Evangelho da quarta-feira da Semana Santa, com o auxílio do Espírito Santo.

Mt 26, 14 – 25

14 Então, um dos Doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os príncipes dos sacerdotes e perguntou-lhes: 15 “Que quereis dar-me e eu vo-lo entregarei”. Ajustaram com ele trinta moedas de prata. 16 E desde aquele instante, procurava uma ocasião favorável para entregar Jesus.

17 No primeiro dia dos ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram-lhe: “Onde queres que preparemos a ceia pascal?”. 18 Respondeu-lhes Jesus: “Ide à cidade, à casa de um tal, e dizei-lhe: O mestre manda dizer-te: Meu tempo está próximo. É em tua casa que celebrarei a Páscoa com meus discípulos”. 19 Os discípulos fizeram o que Jesus tinha ordenado e prepararam a Páscoa.

20 Ao declinar da tarde, pôs-se Jesus à mesa com os doze discípulos. 21 Durante a ceia, disse: “Em verdade vos digo: um de vós me há de trair”. 22 Com profunda aflição, cada um começou a perguntar: “Sou eu, Senhor?”. 23 Respondeu ele: “Aquele que pôs comigo a mão no prato, esse me trairá. 24 O Filho do Homem vai, como dele está escrito. Mas ai daquele homem por quem o Filho do Homem é traído! Seria melhor para esse homem que jamais tivesse nascido!”. 25 Judas, o traidor, tomou a palavra e perguntou: “Mestre, serei eu?”. “Sim” — disse Jesus.

Bíblia Ave-Maria, 93ª Edição

Consideremos a tristeza que oprimiu o Coração de Jesus, quando soube que seria traído por um amigo íntimo. Quão indizivelmente triste ficou! E ainda assim, Ele o amou desde sempre.

Cabe-nos aqui citar a beata Anna Catharina Emmerich, quando descreve Judas Iscariotes.

Judas, então na idade de 25 anos, tinha certa erudição e dedicara-se também ao comércio. Gostava de dar ares de importância e mostrava-se indiscreto e intrometido, onde não o conheciam. Também era ambicioso e cobiçoso de dinheiro e sempre tinha andado à procura da riqueza. A personalidade de Jesus atraía-o muito e por isso tinha grande desejo de ser chamado seu discípulo e participar-lhe da glória.

[…]

Os discípulos gostavam de Judas a princípio, pois era muito obsequioso, até lhes limpava as sandálias. Era um excelente andador e fez ao começo muitas e longas caminhadas a serviço da comunidade. Estava, porém, sempre cheio de ciúme e inveja e pelo fim da vida de Jesus, se aborreceu das viagens apostólicas, da obediência e do mistério que envolvia a pessoa do Divino Mestre e que não compreendia.

[…]

Findo esse banquete, Judas correu, cheio de ira e avareza, a Jerusalém, oferecendo-se aos fariseus para entregar-lhes Jesus e perguntando quanto lhe dariam por isso. Satisfeitíssimos, ofereceram-lhe trinta dinheiros.

Vida, Paixão e Glorificação do Cordeiro de Deus, cap. 1, 20. Mir Editora, 1999.

Estamos na Semana Maior do ano litúrgico, e celebramos na Quinta o Mistério que ocorreu depois da traição de Judas. Esse apóstolo infiel é uma imagem dos que hoje traem a Jesus. Nos lugares em que o Cristianismo não é aceito, é traidor aquele que, pensando nas coisas do mundo e esquecendo da obediência a Cristo, cede e denuncia os cristãos. Esse é traidor.

Todas as vezes que Cristo estiver para ser entregue à morte ou ao suplício; todas as vezes em que Cristo, com sua Igreja e nos seus membros estiver prestes a sofrer, será traidor aquele que, conhecendo a iminente situação de sofrimento, abandoná-Lo. Também esse é traidor.

Por isso, as palavras de Cristo soam como uma advertência: “Seria melhor para esse homem que jamais tivesse nascido!”. Para nós, aqui, é exigido atenção!

Podemos ver um ato sublime de amor do Senhor pelos seus apóstolos, seus amigos. Mesmo sabendo que seria traído, o Mestre celebra a festa da Páscoa com aquele que consumou a traição. Cantava-se salmos e cânticos nessa celebração judaica; Jesus também cantou com ele. Comeram e beberam juntos, mesmo sabendo que seria entregue por ele. E quanto a nós? Temos dado sinais de amor aos nossos inimigos?… O olhar de Jesus para Judas foi de um amor indizível, assim como era para os outros apóstolos que não O trairiam. Entretanto, Ele amou o Iscariotes, apesar de ter ficado profundamente triste com ele.

Agora que você leu esse texto, pode perceber algo semelhante em você? Quantas vezes você traiu Jesus através dos pecados (pois pecar é também uma forma de traição), imoralidades, ingratidões, indiferenças e etc., e Ele, mesmo assim, continuou te amando. Não porque você tem algo em especial ou porque é uma pessoa boa; na verdade, Jesus faz isso porque Ele é a pura bondade e ama até mesmo aqueles que O ferem e crucificam. Assim como o Senhor olhou amorosamente para o Traidor, Ele continua a nos olhar, a nós: que agimos muitas vezes como amigos traiçoeiros para com o seu amor indizível.

Destaque

Posts relacionados

“Permanecei no meu amor”…

A Palavra que hoje vamos meditar nos revela o maior mandamento de nosso Senhor. E é preciso que nós o realizemos, ainda que criemos resistência para isso.

ler mais

“O TEU DEUS NÃO É A TERRA…”

Santo Agostinho viveu e escreveu no século IV, e todavia seus escritos não se tornam desatualizados. Vamos meditar sobre um pequeno trecho do livro “Confissões”.

ler mais

Precisa de ajuda?

Entre em contato

SIGA-NOS

SOBRE O AUTOR

Luiz Davi

Jovem estudante de Filosofia.

COMENTÁRIOS

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

“Permanecei no meu amor”…

“Permanecei no meu amor”…

Vamos ouvir o que nosso Senhor quer nos dizer no Evangelho que hoje vamos meditar. Jo 15, 9–17 9 Como o Pai me ama, assim também eu vos amo. Permanecei no meu amor. 10 Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor como eu também guardei os mandamentos...

“O TEU DEUS NÃO É A TERRA…”

“O TEU DEUS NÃO É A TERRA…”

Hoje vamos meditar sobre um pequeno trecho do livro Confissões, de Santo Agostinho. Ele é de grande proveito espiritual, assim como toda a obra. “‘O teu Deus não é a terra, nem o céu, nem qualquer outro ser corporal’. É isso que a natureza das coisas afirma, e todos...

O exorcismo em Cafarnaum

O exorcismo em Cafarnaum

Vamos meditar neste mês sobre um trecho do começo do Evangelho de Marcos, proposto pela Liturgia para o último domingo do mês de janeiro. Mc 1, 21-28 21 Entraram em Cafarnaum e no sábado foi à sinagoga e se pôs a ensinar. 22 Admiravam-se da doutrina, pois ele os...