O prólogo do Evangelho de São João

j

by Luiz Davi

}

4 jan, 2021

O Evangelho do 7º dia da oitava de Natal neste ano é o prólogo do Evangelho de São João. Vejamo-lo.

João 1, 1-18

1 No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 2 No princípio estava ele com Deus. 3 Todas as coisas foram feitas por intermédio dele e sem ele nada se fez de tudo que foi feito. 4 Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. 5 E a luz resplandece nas trevas mas as trevas não a compreenderam.

6 Houve um homem enviado por Deus de nome João. 7 Veio para dar testemunho, para testemunhar da luz, a fim de que todos cressem por ele. 8 Não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. 9 Era esta a luz verdadeira, que ilumina todo homem, que vem a este mundo. 10 Ele estava no mundo, e por ele o mundo foi feito, mas o mundo não o conheceu. 11 Veio para o que era seu mas os seus não o receberam. 12 Mas a todos que o receberam, deu-lhes o poder de virem a ser filhos de Deus, àqueles que creem em seu nome; 13 os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.

14 E o Verbo se fez carne e armou tenda entre nós; vimos a sua glória, a glória de Unigênito do Pai, cheio de graça e verdade. 15 João dá testemunho dele e clama, dizendo: “Este é aquele de quem vos disse: o que vem atrás de mim passou adiante de mim, porque era primeiro do que eu”. 16 Pois da sua plenitude todos nós recebemos graça sobre graça. 17 Porque a Lei foi dada através de Moisés, a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo. 18 A Deus ninguém nunca viu. O Filho Unigênito que está no seio do Pai foi quem no-lo deu a conhecer.

Bíblia Ave Maria

Peçamos a luz do Espírito Santo, a fim de que tenhamos a graça de entender a mensagem.

Assim como em Gênesis 1,1 se lê “no princípio”, em João se lê o mesmo. João, porém, tendo testemunhado a luz que ilumina todo homem (1,9), ao escrever “no princípio” não quis dizer do início da criação do mundo, como está escrito em Gênesis, mas escreveu “no princípio” a fim de lembrar o processo inteiro, que não para na criação do homem, mas que culmina na salvação deste!

Assim, segue João enunciando a relação do Verbo, que era o Filho, com o Pai. E ao dizer que “nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens” (1,4), o Evangelista termina por fazer uma referência à Santíssima Trindade, já que o Espírito é vida, e por estar o Espírito em Deus, ele diz “nele estava a vida”.

A descrição continua, passando pela vinda daquele que devia dar testemunho da luz, João Batista. O Evangelho continua com o anúncio da encarnação do Verbo: a partir daquele momento, Deus se tinha tornado homem como nós! Estava cumprida a promessa… A passagem acaba exaltando a bondade de Deus, que nos cumula de graça sobre graça (1,16)!

Ainda estando no começo, João já “dá a dica” do que acontecera com o Filho de Deus: “não o receberam” (1,11b), querendo dizer dos que não quiseram se abrir às palavras de Jesus. Ao mesmo tempo em que há esse prenúncio de incompreensão, há o anúncio de sua glória e esplendor: “vimos a sua glória, a glória de Unigênito do Pai, cheio de graça e verdade” (1,14b). E bem no final, João enuncia o nome do Salvador: Jesus Cristo.

O que quer dizer essa Palavra para nós? Essa Palavra nos faz lembrar sempre da Pessoa do Filho. Toda a salvação nos vem através do Filho. Não podemos perdê-lo de vista! Em 18 versículos, João faz um anúncio breve de tudo o que se passou com ele. E nós, estamos dedicando a devida atenção a Jesus Cristo? O Evangelista não se detém na incompreensão por que passa o filho, porque após isso fala uma vez da glória do Unigênito (1,14) e duas vezes da graça (1,16; 17). Façamos como São João Evangelista! Não nos detamos só nas dificuldades, mas lembremos sempre da glória e graça que nos espera. A salvação tem um nome: Jesus Cristo.

Destaque

Posts relacionados

“O TEU DEUS NÃO É A TERRA…”

Santo Agostinho viveu e escreveu no século IV, e todavia seus escritos não se tornam desatualizados. Vamos meditar sobre um pequeno trecho do livro “Confissões”.

ler mais

O exorcismo em Cafarnaum

Nosso Senhor Jesus Cristo, no exercício de Sua vida pública, causou admiração e espanto pelas coisas que realizava. Mas será que a admiração é suficiente para Deus?

ler mais

Precisa de ajuda?

Entre em contato

SIGA-NOS

SOBRE O AUTOR

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Lara de Sousa Evangelista

    Amém! Excelentíssimo texto! S2

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

“O TEU DEUS NÃO É A TERRA…”

“O TEU DEUS NÃO É A TERRA…”

Hoje vamos meditar sobre um pequeno trecho do livro Confissões, de Santo Agostinho. Ele é de grande proveito espiritual, assim como toda a obra. “‘O teu Deus não é a terra, nem o céu, nem qualquer outro ser corporal’. É isso que a natureza das coisas afirma, e todos...

O exorcismo em Cafarnaum

O exorcismo em Cafarnaum

Vamos meditar neste mês sobre um trecho do começo do Evangelho de Marcos, proposto pela Liturgia para o último domingo do mês de janeiro. Mc 1, 21-28 21 Entraram em Cafarnaum e no sábado foi à sinagoga e se pôs a ensinar. 22 Admiravam-se da doutrina, pois ele os...

A busca essencial

A busca essencial

Abramos o nosso coração à Palavra, e prestemos atenção, a fim de que a entendendo, possamos realizar a vontade de nosso Deus. Lucas 12, 22-34 22 E Jesus, virando-se para os discípulos, disse: “Por isso vos digo: não vos preocupeis com a vida, o que comereis, nem com o...