PARA QUE UM DIA POSSAMOS “FLORIR” PARA VIDA

j

by Jaqueline Oliveira

}

23 jul, 2021

Há uns anos atrás, ganhamos um vaso com violetas com suas folhas bem esverdeadas e com cor viva em suas flores, belíssima. E como gosto de plantas e flores, fui pesquisar um pouco como mantê-la viva e havia descoberto que não se deveria molhar as folhas, pois ficam manchadas com possibilidade de apodrecerem e não podiam ter contato diretamente com os raios solares, mas devem receber luz, não podiam estar expostas a temperaturas altas e que elas podem florescer o ano todo, principalmente no verão. Então me empenhei em cuidar dela, deixava-a dentro de casa, tomava cuidado para seguir as instruções, não molhar as folhas, não regar muito, que também é importante e como é normal na natureza as flores murcharam.

Esperei que ela viesse florir novamente, mas sem sucesso, a violetinha deixou de abrir botões, um ano se passou e nada, sem querer eu molhava as folhas e estás ficavam pobres e feias, o tempo passava e nem sinal de um botão, nem sinal de flor.

Rapidamente me lembrei de Leônia, a violetinha da família Martín, e pensei muito rapidamente, que não à toa a chamavam de violetinha, pensando bem agora, a violeta é modesta, simples e delicada, um tanto difícil de ser mantida e para mim era difícil de vê-la florescer. Vendo que não ia florir, a coloquei do lado de fora de casa, onde ela tomaria sol, chuva, frio e teria sombra, iria deixá-la, ou ela viveria, ou morreria de vez, a princípio a violetinha ficou feia, suas folhas estavam morrendo e de fato parecia que não a veria florir, passado um tempo, eis que surge botões, finalmente iria ver outra flor, depois de tanto tempo… As flores que floriram, entretanto não tão bonita como antes. Tinha “imperfeições”, era tão frágil, mas após essas primeiras flores, as demais que vieram mostraram-se mais bonitas, modestas e simples. As folhas secam, caem, mas outras flores nascem, a violetinha está sempre a florir e o vaso permanece no mesmo lugar, onde está exposta a toda mudança de tempo.

 Ao ver processo da violetinha, não lembrei somente de Leônia, mas da minha própria alma, do processo que temos para chegarmos ao termo de nossas vidas, quando somos batizados e recebemos os sacramentos, temos tudo para “florir”, mas, devido o pecado original, e tantas imperfeições, desordens, e pecados que cometemos nossa intimidade e união com Deus apodrece, murcha e muitas vezes parece que não tem solução, que não vamos conseguir alcançar a santidade; quando recomeçamos, há um caminho árduo, nos deparamos com nossos defeitos, pecados, e más inclinações. Podemos até fazer alguma ação e notar algum amor próprio, por exemplo, as orações, o recolhimento a princípio será difícil, e isso escrevo não para desanimar e sim encorajar, sim, isso mesmo, mas encorajar no que?

Há revestimo-nos com paciência e humildade, mesmo que as primeiras “flores” não sejam perfeitas, sabemos que quando se cultiva uma planta deve ter paciência para esperar seu crescimento até surgir os primeiros botões e então esperar elas florescerem e da mesma forma devemos cultivar a vida interior, pois é preciso perseverança, humildade, e como escrevi, paciência, usar os meios que nos é dado para cultivar intimidade com Deus, para que possamos adquirir virtudes e crescermos na caridade, alguns podem cair no risco de querer fazer tudo pelas próprias forças, e se frustram; nós colaboramos com a graça de Deus, pela busca sincera da santidade, sacramentos, vida de oração, pedindo o dom da fé, mas santidade é um Dom de Deus, Ele que faz crescer as virtudes, é Ele que nos dá graça do seu Amor, é Ele que nos fará santos, os santos que Ele quer que sejamos. Em um trecho da Imitação de Cristo explica muito bem isso: “tudo que temos, na alma e no corpo, todos os bens que possuímos, internos e externos, naturais e sobrenaturais, todos são benefícios Vosso (de Deus), e outras tantas provas de vossa bondade, liberalidade e munificência, que de vós todos os bens recebemos.”

   A família de Leônia a confiou a Deus, Santa Zélia, rezava por sua filha, e Leônia, a violetinha, simples, modesta e humilde floriu, morreu em odor de santidade. Que possamos nos abandonar nas mãos de Deus, busquemos com coração sincero a união com Ele, o cumprimento de sua vontade a cada dia, Ele irá dispor do que for melhor para nossas almas, assim como a violeta que ficou exposta ao sol, frio, sombra, chuva e ventos, confiemos em Deus, se Ele permite alguma provação, ou aflição, ou secura, Ele não nós deixará sucumbir, paremos um momento, e rezemos pedindo a Deus o dom da fé, da perseverança no cumprimento de sua vontade para que por sua graça possamos também um dia “florir” para a Vida Eterna.

Destaque

Posts relacionados

Rezar enquanto trabalha?

ℕa movimentação de nossa rotina de trabalho ou da nossa rotina cotidiana, podemos ser pegos pela seguinte pergunta: é possível rezar durante o trabalho? Dá para rezar estando no ônibus indo trabalhar, por exemplo, ou enquanto se faz trabalhos domésticos? Existem dois...

ler mais

Falta de tempo, ou de amor…?

“O ‘lema’ de São Bento é justamente “Ora et labora” ora e trabalha, mas notem que a oração antepõe ao trabalho, como era expresso por São Cipriano “nada se anteponha Cristo, pois Ele nada antepôs a nós”.
Que triste saber que antepomos tantas coisas a Cristo e Ele que nada antepôs para nossa salvação… ”

ler mais

Precisa de ajuda?

Entre em contato

SIGA-NOS

SOBRE O AUTOR

Jaqueline Oliveira

Católica, 23 anos. "nada se anteponha a Cristo, pois ele nada antepôs a nós"

COMENTÁRIOS

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

Rezar enquanto trabalha?

Rezar enquanto trabalha?

ℕa movimentação de nossa rotina de trabalho ou da nossa rotina cotidiana, podemos ser pegos pela seguinte pergunta: é possível rezar durante o trabalho? Dá para rezar estando no ônibus indo trabalhar, por exemplo, ou enquanto se faz trabalhos domésticos? Existem dois...

Falta de tempo, ou de amor…?

Falta de tempo, ou de amor…?

 “A ociosidade é inimiga da alma” é o que foi regido por São Bento em sua regra, no ponto que é dito sobre ‘trabalho manual quotidiano’, basicamente, ele deixa claro para seus monges que se deve evitar o ócio, por meio da lectio divina, ou leitura espiritual, ou...

“Descascar nabos por amor a Cristo”

“Descascar nabos por amor a Cristo”

“Certo dia encontrava-se São Rafael trabalhando na cozinha quando, repentinamente, uma luz penetrou-lhe a alma impelindo-o a exclamar: "O que faço eu, Virgem Santa? Descascar nabos! Descascar nabos… para quê? "E o coração pulando no peito contestou-lhe sem refletir:...